Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.

17 janeiro, 2007

Timbres

(Photo By Memorex)

No silêncio de uma cachinada, as feições traçadas na sua aragem inocente explodem ingenuidades. Possuidora de uma encorpadura rebelde em crescimento, moldando linhas definidas de que a tornará numa bela rapariga talentosa.
Porventura, do seu dom musical. Observo-a bastante, estudo os seus movimentos agarrando desajeitadamente o Saxofone, pesado e robusto.
Os seus braços não se quebram, habituada a segurá-lo, o instrumento metal com chaves e embocadura de palheta. Vislumbro um objecto escondido na parte alongada do seu braço, formado um ramo de árvore, carrega um livrete de composições musicais de Jazz.

As pupilas dilatam, intensamente. Instruídas á sua fiel cor, castanhos dourados como mel obedecendo ao padrão da sua beleza morena. Continuo a espreitá-la, disfarçada sem fazer nenhum alarido por detrás da porta semi-aberta.
Neste instante os lábios esboçam-se lentamente, sim, ela sabe que estou ali a espiá-la. Não faço nada, deixo-me á mercê do emudecimento, assistindo o momento.
O livrete é aberto onde os seus dedos folheiam páginas á procura de uma melodia, parou e deve ter escolhido uma obra agradável.
Está a preparar-se, coloca os seus dedos nos botões dourados rítmicos, a boca ajustada na palheta preta e os olhos fixados nas notas saltitantes. Sustenta a respiração e os sons renascem vivos, energéticos.
Fui sacudida, pelo toque capitular dos meus aparelhos auditivos e toda a música estava no ar, invisível!

Não é irritante como o som da Flauta, um agudo agressivo e incómodo. Mas agradável, fecho os olhos, ouço-a com profundeza, abro a porta e deixo-a entrar embriagada de sede num vendaval de emoções.
São notas gigantes e pretas suspensas no ar. Cada símbolo musical com um par de asas incomparáveis.
Entrei no mundo imperceptível dos sons e soube instintivamente que podia voar entre as melodias. Elevo-me sem asas e rodopio apaixonada, ouvindo a orquestra sublime.

Saxofone, de Jean-Yves Fourmeau.

9 comentários:

Confissões disse...

Bom fim de semana!!

Já ponderaste em escrever um livro?

Beijos!

Teresinha disse...

desulpa nao ler o teu texto... mas nao tenho tido tempo...
eh la... escrita e desenho... pk e k nao publicas um dos teus desenhos??? gostava de ver !!! ou et se kiseres manda para whitee.snow@gmail.com
gostava mesmo de ver... pois é tao bom ver outros trabalhos :D

bigada pelos elogios ;)aparece k kiseres...
ainda nao publikei mais nenhum pois nao tive tempo... a ver se amanha coloco.
bjus**** voando nas pekenas particulas do ar ;)

maresia disse...

Boa noite!!
Apenas dizer que gostei muito do texto, continua assim!!
Bj!

Teresa David disse...

Embora não ache a flauta irritante e goste até bastante de ouvir, o saxofone com o seu som é caso de paixão para mim, logo ter gostado do que li.
Bjs
TD

M.M. disse...

Olá @Memorex!
Este post que tu aqui colocaste, representa o Amor pela música, que essa pessoa que estiveste a espiar (e que tão bem sabemos quem é), sente quando toca cada nota, quando lê cada partitura.
Nasceu com esse dom, e cabe-nos a nós estimulá-lo.

Um grande beijinho:

M.M.

Betty Branco Martins disse...

Querida Memorex

Já Voltei:))

O meu comentário de hoje, tem que ser assim um simples – olá e um muito sentido – obrigada – pela visita na minha ausência.

Isto é para eu ter tempo de visitar a todos.

Beijos com muito carinho

rute disse...

Conseguiste transmitir de tal maneira que quase consegui ouvir o som na minha mente!!

Minha querida tu é que és sublime.

Beijo
Rute*

Laura disse...

Oláááá´.. Parece que também não ouves, ou ouves mesmo? Eu apenas leio nos lábios, e o que ouço não é suficiente para entender o que dizem. não uso aparelho não quero nem operações..Já lá vai o tempo em que queria.. Gosto de musica e o som que consigo ouvir com os auscultadores e mais gosto é o saxafone, trombone, nem me perguntes porquê... Os meus filhos dão-me a letra das canções, eu olho para eles e assim encostada à tc a sentir e a ler neles adoro.. Danço e sinto a musica quando é bem alta..a entrar dentro de mim...
Um beijinho grande da laura, já tenho 55 e não sou como na foto do resteas..já fui, claro..

greentea disse...

Há que tempos q não te encontrava porque perdi os links ao mudar o blog


Beijinhos para ti